Social TV: o impacto desse conceito no comportamento do consumidor

As mídias sociais ampliaram as possibilidades das atrações e comerciais televisivos ao permitirem a interação direta do público com seus programas favoritos. Nesse cenário, a Social TV é o conceito da comunicação que aborda essa relação entre a TV e a internet na experiência do telespectador.

O comportamento das novas gerações está transformando o marketing por completo. O consumidor não só está muito bem informado e engajado, como utiliza diferentes dispositivos e canais de comunicação durante o dia, de maneira simultânea ou alternada.

O mercado em torno dessa tendência deve movimentar mais de US$ 3 bilhões até 2026 e, como veremos neste post, sua empresa já pode começar a se beneficiar com essa estratégia. Continue a leitura e entenda mais sobre o assunto!

Como surgiu a Social TV?

A Social TV é um tipo de crossmedia e explora uma recente mudança no comportamento dos telespectadores que está transformando a experiência de consumo da TV: assistir a programas de televisão com um notebook no colo ou com o smartphone nas mãos.

Embora a internet tenha desconstruído por completo a supremacia da televisão, esse canal continua exercendo um grande papel na comunicação. A solução encontrada pelas novas gerações para resolver esse “conflito” foi unir os dois mundos.

O engajamento gerado em redes sociais, em especial o Twitter e o Facebook, é diretamente influenciado pelos conteúdos promovidos na TV. Jornais e programas de entretenimento estão se adaptando a essa nova realidade, permitindo a interação do público ao vivo por meio das mídias digitais.

Como a experiência do público vem se transformando?

Essa experiência integrada entre diferentes aparelhos e canais de comunicação é relativamente uma novidade quando consideramos todas as etapas da evolução da experiência do telespectador.

Nos primórdios da comunicação (entre os séculos XIV e XIX), eram os pequenos informativos e jornais que ganhavam a atenção do público. Logo, foram nesses veículos que os primeiros anúncios publicitários surgiram. Séculos depois, as pessoas teriam cada vez mais meios disponíveis para se informar.

O consumidor multichannel

No final do século XIX, com o surgimento das transmissões sem fios, a comunicação entrava em uma nova era que mudaria o mundo por completo. O rádio se tornou sensação instantânea e, três décadas depois (por volta de 1928), foram realizadas as primeiras transmissões de TV — invento que mudaria a experiência do telespectador para sempre.

A televisão e o rádio alteraram a disposição dos móveis nas casas e o dia a dia das famílias, se tornando os principais veículos de propaganda e publicidade. Entretanto, a tecnologia que estava por vir em meados de 1970 prometia oferecer não só um meio de comunicação disruptivo, mas uma transformação global sem precedentes.

A internet trouxe um novo olhar sobre o consumo da informação, conferiu luz e voz a pessoas comuns e mudou radicalmente a comunicação, as transações financeiras, o comércio, a indústria e, principalmente, o comportamento do consumidor, que agora contava com um poderoso instrumento para investigar e se envolver com as marcas que consumia.

O consumidor omnichannel

Nos últimos anos, com a chegada de novos dispositivos de acesso, como os smartphones, tablets e smartTVs, a internet vem trilhando um caminho rumo à integração. A ideia, basicamente, é transformar todas essas telas em uma janela para o mesmo mundo informativo dos sites, blogs e redes sociais.

Essa tendência está mudando o comportamento das pessoas mais uma vez. O consumidor omnichannel é aquele que consome conteúdo e interage com diversos canais diferentes, mas não enxerga barreiras entre eles. Por isso, consegue trocar de dispositivo de maneira fluida ou interagir com diversas telas simultaneamente, integrando tudo isso em uma só experiência.

As recentes exigências de SEO do Google para o desenvolvimento de plataformas com interface responsiva são um dos reflexos dessa nova realidade. Assim como a Social TV, que, embora não estabeleça uma integração completa entre a internet e a transmissão de TV, permite a troca de informações em tempo real com as atrações televisas usando as redes sociais como ponte.

Qual é o perfil dos consumidores modernos?

As ações de branding estão cada vez mais voltadas para as novas gerações. Estas são conhecidas como Y e Z e compreendem os indivíduos nascidos a partir dos anos 1980.

São jovens extremamente informados e, ainda que sejam muito críticos em relação aos consumidores do passado, tendem a ser mais abertos ao relacionamento com suas empresas favoritas.

As redes sociais estão permitindo que marcas e clientes conversem como amigos. Porém, para que isso seja possível, é necessário ajustar a comunicação para esse novo perfil.

As principais características das novas gerações

A geração Y, também conhecida como millennial, considera os jovens nascidos por volta de 1980 e 1995 que, atualmente, se encontram em estudo ou início de carreira. A geração Z ou nativos digitais, por sua vez, são jovens que nasceram na virada do século e desconhecem o mundo sem a internet.

Esses novos consumidores compartilham traços que devem ser considerados na elaboração de qualquer estratégia de marketing, entre eles:

  • o comportamento multitelas;
  • a presença ativa nas redes sociais;
  • o alto consumo de conteúdo (blogs, sites e mídias digitais);
  • o forte engajamento (político, social, ambiental, entre outros).

Outra importante característica desse público é a ansiedade e o imediatismo. Os jovens nunca foram tão impacientes, por isso, as marcas precisam desenvolver meios de trabalhar a sua comunicação nas grandes mídias e, principalmente, nas redes sociais da maneira mais instantânea possível.

Essa é a chamada “Economia do agora”, que se insere no conceito de Marketing 4.0 descrito por Philip Kotler. Sob essa perspectiva, percebemos que a Social TV nada mais é que uma forma de trazer a instantaneidade das mídias digitais para a televisão. Logo, representa uma grande oportunidade para as empresas se aproximarem desse novo público.

Como se beneficiar dessa estratégia?

O primeiro passo para se beneficiar da Social TV é firmar a sua presença online para criar um diálogo com a audiência. Abaixo, você confere algumas sugestões para trabalhar essa estratégia.

Incentive a participação do público nas mídias sociais

Se a sua empresa investe em comerciais televisivos, trabalhe campanhas que incentivem a interação do público nas plataformas digitais. Promova alguma hashtag, promoções que estimulem a publicação de fotos e vídeos ou discussões abertas nas redes sociais.

Trabalhe o seu marketing de conteúdo

Uma das melhores estratégias para construir presença e autoridade na internet é o Marketing de Conteúdo. Transformando sua empresa em uma educadora do seu público, você não apenas conquistará seguidores, mas verdadeiros fãs da sua marca. Esse relacionamento prévio com a audiência tornará as ações de Social TV muito mais efetivas.

Seja uma empresa antenada

Se a sua companhia não dispõe de recursos para a realização de campanhas na televisão, não significa que ela não possa se beneficiar da Social TV. Ser uma marca antenada, que se posiciona diante de grandes causas, se envolve em discussões e no universo do seu público, é o suficiente para despertar a admiração da audiência.

Nesse sentido, a TV é uma grande provedora de tendências, capaz de ajudar a sua empresa a direcionar o seu conteúdo e a sua linguagem de acordo com os assuntos de destaque das grandes mídias.

Em resumo, o que podemos constatar é que as redes sociais se tornaram o novo “Ibope” das atrações televisas e compõem a lista de principais canais de comunicação das empresas. A Social TV é apenas mais uma forma de enriquecer essa interação e de usar o engajamento do público para se aproximar dos seus consumidores.

Quer aprender como ganhar destaque no Facebook? Então, confira o nosso e-book Guia do Marketing do Facebook e entenda, passo a passo, como montar uma estratégia de sucesso!

Ebook Cases de Empresas de TecnologiaPowered by Rock Convert