Produção de conteúdo para redes sociais: como ganhar destaque?

O que um cachorro, um cliente sincero e um atendimento pra lá de atencioso podem nos ensinar sobre engajamento e produção de conteúdo para redes sociais? Pois essa história aconteceu em 2016 e continua sendo um ótimo exemplo para empresas de todos os tipos até hoje.

De olho em uma das páginas que mais faziam sucesso no momento, a Catioro Reflexivo (na época com cerca de dois milhões de fãs), a fintech brasileira Nubank não perdeu tempo quando recebeu a mensagem de um cliente (Walter) explicando que sua cachorra (Belinha) havia mastigado seu cartão de crédito.

Bastante atenciosa, a companhia não só enviou um novo cartão, como também um brinquedo da mesma cor para a cachorrinha, acompanhado de uma carta escrita à mão na qual figurava a expressão “catiora” (em referência aos memes da Catioro Reflexivo). A história logo foi parar na página de humor e o sucesso foi instantâneo.


Mas antes de analisar esse case e entender como ele é capaz de ajudar sua marca a se destacar, vamos entender como funcionam as redes sociais mais usadas do momento? Confira!

Compreensão das redes sociais

Um bom trabalho de marketing e produção de conteúdo nas redes sociais exige testes e muito estudo, como veremos ao longo deste artigo. Antes de tudo, entretanto, é necessário entender qual o perfil de cada plataforma.

No texto de hoje, em especial, focamos nas três principais redes sociais utilizadas na atualidade para promover marcas: Facebook, Instagram e Twitter, entendendo as peculiaridades de todas elas.

Facebook: pessoal, popular e dinâmico

Nas palavras do fundador, Mark Zuckerberg, o “objetivo do Facebook é conectar pessoas”. Veja bem: pessoas! E a única forma da sua marca não parecer uma “intrusa” entre tantas conversas pessoais é tornando o conteúdo e as interações mais próximos também.

O Facebook inaugurou a era dos algorítimos com a promessa de “botar ordem na casa” diante da imensa quantidade de material criado na plataforma diariamente. Fatores como tipo de informação, potencial de cliques, autenticidade, tempo de relacionamento com a postagem e engajamento são usados para determinar o que aparece nas timelines.

Os conteúdos que ganham maior destaque são aqueles capazes gerar interações com o público como curtidas, compartilhamentos e menções (marcar amigos), principalmente fotos e vídeos. No entanto, a plataforma, em geral, é bastante flexível e está aberta para diferentes formatos e estratégias.

Instagram: visual, autêntico e constante

O Instagram consiste em uma rede social voltada para imagens e vídeos breves, conteúdos que por si só já apresentam altos índices de engajamento. Trabalhar o visual, portanto, é fundamental para chamar a atenção por lá, mas sem perder a autenticidade, é claro.

Seu algorítimo é semelhante ao do Facebook, e os principais critérios são temporalidade (publicações recentes aparecem primeiro), engajamento (comentários e curtidas, principalmente no momento da postagem) e relacionamento (a prioridade é dos posts das contas com as quais o usuário mais interage).

Outro ponto importante é que o público do Instagram não costuma se prender nas postagens por muito tempo, por isso o conteúdo precisa ser voltado para um consumo rápido. Materiais mais longos e trabalhados se saem melhor no Facebook ou em mídias como o YouTube.

Twitter: curto, rápido e direto

Logo de cara, a primeira diferença percebida no Twitter é seu limitador de caracteres nas postagens, que diz muito sobre a personalidade dessa rede social. O público do Twitter está em busca de informações rápidas, e o propósito da plataforma é entregar conteúdos espontâneos em tempo real.

Baseando-se no comportamento prévio do usuário, o algorítimo do Twitter analisa temas, formatos de publicações e o relacionamento com o perfil de quem postou, entregando um melhor resultado orgânico para os tweets com maior potencial de engajamento.

Uma de suas particularidades é que a exibição do conteúdo não é inteiramente controlada. Mesmo adotando um algorítimo, a rede social ainda oferece a antiga exibição cronológica como opção para o usuário, afinal ela tem tudo a ver com o caráter informativo da rede.

Nubank, Belinha e as redes sociais

Com uma carta e um brinquedinho, a Nubank conseguiu uma repercussão de fazer inveja a muitas campanhas milionárias. Foram quase 50 mil curtidas, mais de cinco mil compartilhamentos e uma enxurrada de comentários elogiando a empresa, que fez questão de responder um a um.

A história também ganhou repercussão em blogs e revistas do país e nos dá uma verdadeira aula sobre atendimento ao cliente e marketing nas redes sociais. Mas, afinal, o que tudo isso nos ensina a respeito de comunicação e produção de conteúdo?

Conheça o seu público

A equipe da Nubank deixou claro que estava presente no universo da sua audiência e, por isso, criou um enorme envolvimento entre o público da corporação, o público da página do Catiorro e a própria equipe da startup de uma forma bem espontânea.

Acerte na linguagem

A startup soube trabalhar com muita eficiência a comunicação com sua audiência explorando gírias, memes, páginas famosas e diversos outros elementos que fazem parte do cotidiano do seu público, majoritariamente jovem.

Seja humano

Sem qualquer compromisso com o velho corporativismo das marcas de cartão de crédito, a empresa foi profundamente atenciosa e humanizada. A carta descontraída redigida à mão deixou claro que quem estava do outro lado era uma pessoa e não uma máquina, impressão também trabalhada nas redes sociais.

Capriche no atendimento

Além do atendimento especial para o Walter, a organização ainda respondeu a todos os comentários de maneira clara, pessoal e divertida, como uma conversa agradável entre amigos.

Dicas para uma estratégia de sucesso

Não basta apenas acertar na produção de conteúdo para as redes sociais: uma boa estratégia é o alicerce de uma campanha de sucesso e, por isso, outros pontos também exigem atenção.

Não seja um panfleteiro virtual

Se a maior parte do seu conteúdo se limita a anúncios e promoções constantes, é melhor rever a abordagem. Se coloque no lugar do público: você gosta de ser bombardeado com anúncios repetitivos e insistentes?

Todos nós recebemos uma imensa quantidade de publicidade todos os dias, e não é à toa que nosso cérebro aprendeu a se esquivar desse tipo de conteúdo. Isso não significa que os banners e anúncios devem ser abandonados, mas é necessário um planejamento para usá-los corretamente, com ações que construam um relacionamento antes de fazer propostas.

Estude, teste e monitore

Uma estratégia profissional de produção de conteúdo nas redes sociais envolve pesquisas, testes, métricas e monitoramento. Com a ajuda do Analytics das redes sociais, é possível obter bons insights para definir formatos, horários e assuntos que mais instigam o público.

E não deixe de aproveitar o relacionamento para entender melhor sua audiência, sempre levando em consideração comentários, elogios e principalmente reclamações.

Conquiste fãs e não apenas seguidores

Recentemente discutimos no blog a importância de conquistar fãs e não apenas seguidores, mas em 2013 o Burger King já havia provado isso de maneira contundente.

Ao promover sua página norueguesa, a empresa ofereceu duas opções: curtir a nova versão ou ser banido para sempre e levar um Big Mac (lanche do principal concorrente). A rede de fast-food perdeu nada menos do que 30 mil fãs que preferiram o lanche, mas conseguiu qualificar o público e quintuplicar o poder de engajamento.

É claro que você não precisa ir tão longe. A verdade, entretanto, é que um público que adora sua marca não apenas vira um grande defensor dela e um disseminador das suas ideias. Essas pessoas podem também ser grandes aliadas na produção de conteúdo para redes sociais!

O post de hoje fica por aqui. Por falar nisso, que tal acompanhar as novidades do nosso blog nas redes sociais? Estamos no Facebook, no Instagram e no LinkedIn!

Powered by Rock Convert

Redatora/Criativa do HUB Criação, caiu na publicidade por acaso, há 17 anos. Adora um bom texto, seja pra ler ou pra escrever.